Cirurgia plástica, transplante capilar, estética.

Todas as pessoas que se submeteram à aplicações de silicone líquido no corpo estão expostas a ter problemas em consequência destes procedimentos.

A retirada é possível através de cirurgias que conseguem remover parte dos tecidos danificados em conjunto com o silicone presente nos tecidos em forma de fibroses extensas, nódulos, quistos e o que for possível retirar.

Essa retirada jamais consegue ser completa, pois o silicone se espalha inclisive pela musculatura e todos os tecidos adjacentes. Lipoaspiração não consegue retirar esses tecidos.

Todas as cirurgias realizadas com o intuito de retirar esses produtos tem por finalidade melhorar os problemas causados. Sempre esclarecemos para os pacientes que jamais podemos prometer que com o tempo não terão mais problemas, pois muitas vezes durante a vida para melhorar sintomas e alterações de forma, são necessárias diversas cirurgias, dependendo dos locais atingidos e dos problemas causados.

Esses produtos, quando aplicados no corpo proporcionam resultados imediatos muito bonitos, principalmente ma região glútea, os problemas começam a aparecer com o tempo. È uma bomba relógio sem hora determinada. Existem pacientes que apresentam sintomas imediatamente após a aplicação e outros apenas anos depois, mas normalmente em algum momento da vida algum problema aparecerá.

Normalmente essas aplicações são realizadas por pessoas leigas e é sabido, pois casos já houveram, de pacientes que durante a aplicação, o produto foi njetado em um vaso sanguíneo maior, e que por ter uma consistência viscosa provocou embolia pulmonar, com diversos casos de morte após a aplicação.

Fora este que seria o problema maior, existem outros como:

  • Movimentação do produto que muda de lugar , o mais comum é quando usado nas nádegas descem para coxas, pernas e pés, muitas vezes deixando os pés com aspecto de pé de elefante (filariose);
  • Deformidades de pele e adjacentes causando a queda da pele e do produto, alterando todo o contorno do corpo;
  • Alterações de coloração e consistência da pele, ficando uma cor vermelha que vai escurecendo e tomando o aspecto da casca de laranja;
  • Inflamações e Infecções muito sérias e de difícil controle, com medicamentos apenas sistêmicos;
  • Necroses de pele também podem vir a acontecer nos casos mais graves;
  • Alterações circulatórias nos locais atingidos.
  • Algumas vezes, principalmente nas crises inflamatórias, levam a dificuldades de locomoção.

Com todos os esclarecimentos aqui registrados, aconselharia a todas as pessoas que em algum momento tiveram vontade de submeter-se a esse procedimento, não o faça mesmo que lhe seja oferecido gratuitamente, vai lhe custar caro por toda a vida.

Existem lendas de que o silicone se movimentaria ao ponto de atingir órgãos internos. Já trato desse tipo de problema há mais de 35 anos e nunca vi um único caso em que isso tenha acontecido.

O produto mais utilizado é o silicone viscoso, em geral industrial, usado como lubrificante.

Existe o silicone médico purificado usado na industria farmacêutica, mas que causa problemas idênticos e ambos tem uso proibido para este fim no Brasil.

Anterior ao silicone foram feitas muitas vezes o uso de parafina, inclusive para o aumento de seios e outras partes do corpo com resultados muito piores.

PMMA, bioplastia, aqualift, etc… são produtos que têm autorização de uso no Brasil. Estes produtos, quando usados em quantidades pequenas para corrigir pequenos vincos da face, em geral alcançam um bom resultado e muito raramente apresentam problemas quando bem utilisados.

Mesmo estes produtos usados em grande quantidade no corpo devem ser evitados.

A retirada de produtos de preenchimento em exagero na face podem ser corrigidos com cirurgias semelhantes ao lifting facial.

O uso do PMMA (Bioplastia) é permitido para o preenchimento de vincos da face com muito bons resultados e é raríssimo apresentar problemas, desde que usado em locais e quantidades adequadas.

As injeções de silicone líquido ou PMMA em qualquer outra região do corpo humano são como uma bomba relógio. Inicialmente, podem trazer um resultado estético muito bonito, deixando o paciente muito contente, porém, com o passar dos anos sempre virão os problemas, que mais cedo ou mais tarde irão ocorrer.

Os perigos começam no momento da aplicação, por ser um líquido viscoso e em geral aplicado por pessoas leigas, caso seja injetado equivocadamente dentro de um vaso sanguíneo, pode inclusive levar a morte por embolia pulmonar.

Com o passar dos anos sempre irão aparecer problemas como deformações nos locais aplicados, reações inflamatórias acentuadas na região e adjacências aos locais da aplicação. Muitas vezes também se manifestam infecções de difícil controle, necroses e alterações da pele (aspecto de “casca de laranja”).

Outro acontecimento frequente é a mudança de posição do preenchimento líquido em relação ao local original da aplicação (migração), muitas vezes chegando até os pés dando um aspecto de elefantíase, extremo inchaço.

A cirurgia para a remoção de silicone da face consiste em um descolamento da pele da face, em técnica similar ao lifting facial. Os tecidos alterados, devido ao silicone, são então individualizados e retirados com todo o cuidado e delicadeza necessários para evitar problemas de lesão dos nervos da face.

A retirada do silicone líquido do corpo é feita através de incisões próximas aos locais alterados, tirando-se pele, tecido subcutâneo e as placas fibrosas onde o silicone se encontra infiltrado.

Todas estas cirurgias resultam em cicatrizes que podem ficar mais ou menos aparentes dependendo da resposta cicatricial de cada indivíduo, pois embora feitas dentro das técnicas e cuidados mais adequados e modernos, sempre dependem da reação cicatricial de cada indivíduo. Em alguns casos resultam também algumas depressões nas regiões onde foram realizadas as intervenções, sendo possível uma futura correção em alguns casos.

É impossível a retirada total do silicone injetado. A cirurgia tem por finalidade melhorar o aspecto estético das regiões afetadas, diminuir a incidência das reações inflamatórias e conseguir a maior retirada possível dentro dos limites da técnica e do próprio corpo humano. Porém sempre haverá resquícios do preenchimento.

Algumas vezes, para a obtenção de um resultado melhor, são necessárias mais de uma intervenção cirúrgica.

Todas as pessoas que se submetem a aplicação de silicone no corpo ou na face, sempre estarão expostas a apresentar problemas por toda a vida. A retirada, além corrigir alterações de forma, tem também por finalidade prevenir e diminuir a frequência das inflamações entre outras reações causadas pelo silicone líquido, como problemas de circulação e alterações na pele entre outros. Quanto mais se consiga retirar, menor será a probabilidade de complicações.

Trabalhamos com este tipo de cirurgia há mais de 35 anos com resultados bastante positivos.

 

Perguntas Frequentes

1 – Qual é o tipo de anestesia e o tempo de internação?
R: Na face, a anestesia é local com sedação e a internação pode durar de 12 a 24 horas.

No corpo a anestesia é peridural com sedação e o tempo de internação também é de 12 a 24 horas.

2 – Quanto tempo para voltar às atividades normais?
R: Dependendo da extensão da retirada a recuperação pode durar de 10 a 20 dias. Quanto ao retorno aos exercícios físicos, em geral são liberados após 30 dias.

3 – Como ficam as equimoses (roxos) e edemas (inchaços) após a cirurgia?
R: Em geral são deixados drenos no local por 3 a 5 dias. O edema mais intenso dura em torno de 15 dias, mas a recuperação total será entre 6 a 9 meses.

4 – Qual é a expectativa em relação à dor?
R: O pós-operatório é incômodo e um pouco de dor pode existir, mas pode ser facilmente controlado com analgésicos comuns.

5 – Quais as complicações que podem existir?
R: Como todas as cirurgias podem acontecer inflamação ou infecção no local e formação de seromas (coleções líquidas / acúmulo de líquido), mas de fácil resolução. Em alguns casos pode ocorrer algum tipo de necrose devido a alteração que esses produtos causam nos tecidos.

6 – Existirão pontos a serem retirados?
R: Sim. Os pontos serão retirados em torno de 10 a 15 dias.

7 – A cirurgia para remoção do silicone líquido garante que não terei mais reações inflamatórias ou outros problemas relacionados ao silicone?<br>
R: Em alguns casos sim, porém não podemos garantir que nunca mais haverá reações até porque nunca é possível remover 100% do preenchimento líquido. O que podemos afirmar pela nossa experiência é que quanto maior a retirada menor a frequência de todos os tipos de reação adversa causadas pelo silicone, esse é um dos motivos pelos quais há casos em que são recomendadas mais de uma cirurgia.

 

Considerações Finais

Uma boa avaliação e esclarecimentos entre médico e paciente são muito importantes para a realização de qualquer procedimento cirúrgico.

Para submeter-se a retirada de silicone líquido, o paciente será orientado a fazer os exames pré-operatórios para avaliar as suas condições físicas e deverá seguir às orientações de seu cirurgião plástico sobre como agir no pré e pós-operatórios, que em muito contribuirão para um melhor resultado.

Qualquer processo cirúrgico tem seus riscos, em geral estes são: irritação da região operada; infecções são possíveis apesar de todos os cuidados, mas são extremamente raras; sempre existem cicatrizes em todos os locais onde foram feitas as incisões e alguma assimetria pode acontecer, o resultado das cicatrizes, apesar de feitas dentro da melhor técnica possível, depende muito mais do processo cicatricial de cada indivíduo e do seguimento correto das recomendações pós-cirúrgicas de seu médico; necroses de alguns locais podem ocorrer, embora que muito raramente, em qualquer cirurgia, a frequência é maior entre os fumantes.